TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA: ENTENDA O QUE É E COMO ELA É FEITA

Saber o que é e como é feita tomografia consiste em um das principais queixas do paciente. Sabe-se previamente que esse procedimento computadorizado tem amplo uso na medicina diagnóstica, pois possibilita a obtenção de imagens internas do corpo — como ossos, órgãos e tecidos — de maneira detalhada. Trata-se, portanto, do exame mais indicado para a identificação de lesões, fraturas e tumores.

Muitos pacientes ficam receosos quando há indicação do procedimento, com medo do equipamento e do contraste. Outros indivíduos se sentem inseguros diante da possibilidade de precisarem entrar em ambientes mais restritos.

Quer entender melhor o que é tomografia, como é feita, quais são suas indicações e como é o preparo para o procedimento? Continue a leitura e tire todas as suas dúvidas!

O que é tomografia computadorizada?

Trata-se de um exame que utiliza raios X para obter imagens bastante detalhadas das estruturas internas do corpo, como órgãos, ossos e tecidos. A obtenção das imagens ocorre de acordo com a quantidade de radiação absorvida pela estrutura que está sendo analisada: as mais densas, a exemplo do fígado ou dos ossos (por conta do cálcio), absorvem mais radiação.

As radiografias são feitas em forma de corte (fatias), enviadas ao computador e reagrupadas, para que se tenha uma visão multidimensional da região examinada. Como resultado, o diagnóstico precoce de muitas doenças é facilitado.

Val destacar que a tomografia computadorizada é um exame não invasivo, seguro e indolor que dura de 15 a 30 minutos, dependendo da área examinada. Quando executada corretamente pelos profissionais, não deixa sequelas no paciente.

Quais são os tipos de tomografia computadorizada?

O procedimento pode ser de vários tipos. Veja alguns exemplos abaixo.

Tomografia de tórax

Consiste na avaliação da região do tórax para encontrar infecções ou doenças que afetam os vasos sanguíneos, diagnosticar e acompanhar neoplasias nesta área, além de outras aplicações clínicas.

Isso significa que o profissional clínico responsável pelo exame destinará o tempo necessário à região onde se encontra o possível problema, conforme relatado na solicitação médica sobre as hipóteses diagnósticas.

Tomografia de membros superiores e inferiores

Esse tipo de exame é indicado para fazer uma análise minuciosa das possíveis lesões musculares provenientes de acidentes automobilísticos, quedas em residências ou qualquer evento que cause dor e desconforto para se movimentar.

Trata-se de uma alternativa para identificar fraturas nos braços e nas pernas, infecções de grandes proporções e tumores que afetem a região, podendo delimitar a área acometida por essa doença.

Tomografia de crânio

É indicada para avaliar os principais distúrbios nas funções cerebrais relacionados a problemas como hidrocefalia (aumento de líquido no cérebro), aneurismas (afilamento de um vaso sanguíneo com possibilidade de ruptura) e hemorragias intracranianas.

O procedimento pode investigar a extensão de um trauma craniano, justificando os sintomas apresentados pelos pacientes. Também é possível prever quais outras regiões cerebrais estão sob o risco de serem afetadas caso uma intervenção efetiva não seja realizada.

Tomografia de abdômen e de pelve

O objetivo clínico dessa tomografia é fazer o levantamento de anormalidades nas regiões do abdômen e da pelve para verificar a existência de tumores, abcessos ou outras afecções patológicas mais graves. O procedimento também é fundamental para diagnosticar o paciente com:

  • apendicite;
  • malformação nas estruturas renais;
  • inflamação do fígado ou pâncreas;
  • cistos;
  • infecções no peritônio;
  • hemangioma.

A tomografia computadorizada é muito útil também para casos de emergências médicas, já que consegue diagnosticar de forma rápida doenças cardíacas e lesões cerebrais.

Qual é a diferença entre tomografia e raios X digital?

Se a tomografia computadorizada também utiliza raios X, por que é diferente do exame de raios X digital? A resposta é simples: a tomografia consegue obter imagens com mais detalhes e precisão, detectando tumores de dimensões muito pequenas, por exemplo.

Para explicar melhor, o procedimento de raios X digital faz somente uma radiografia da área examinada, enquanto a tomografia é capaz de gerar centenas de imagens transversais para análise. Além disso, ela consegue avaliar as partes do corpo em três dimensões, o que possibilita até a investigação de áreas superpostas.

Para que serve esse exame de imagem?

A tomografia tem uma série de indicações, pois consegue investigar mesmo as menores alterações ou os processos patológicos em órgãos e tecidos do corpo. Dessa forma, é possível diagnosticar:

  • câncer (de pulmão, fígado, ossos, pâncreas, rins, vias biliares, ovários e útero);
  • nódulos;
  • abscessos;
  • infecções;
  • hemorragias;
  • doenças vasculares;
  • lesões em órgãos;
  • edemas;
  • fraturas;
  • lesões musculares.

No caso de tumores, por exemplo, o exame pode indicar não só a localização, mas também a extensão e agressividade de cada um, confirmando inclusive a presença de metástases. Dessa maneira, é feito um laudo que direciona melhor o tratamento médico e aumenta as chances de recuperação do paciente.

Como é feito o procedimento?

Para fazer o exame, o paciente pode ficar bastante tranquilo. Ele deita em uma maca que vai deslizar lentamente para dentro da estrutura circular do equipamento, local onde são emitidos os raios X que permitem a obtenção das imagens.

A pessoa deve permanecer imóvel e seguir as orientações do técnico para prender a respiração em determinados momentos — assim, a máquina consegue gerar imagens mais precisas da área corporal examinada. Como o anel de raios X do tomógrafo gira para a detecção de imagens, o paciente pode ouvir alguns ruídos durante o procedimento.

Uso de contraste

O maior incômodo para os pacientes é o uso do contraste, indicado em alguns tipos de tomografia computadorizada. A aplicação da substância é importante para que se tenha mais nitidez nas imagens e seja possível distinguir uma estrutura da outra.

No exame, geralmente é usado o iodo, que pode ser aplicado na veia, no ânus ou ingerido via oral, dependendo da área a ser analisada. Se você precisar tomar contraste para fazer a tomografia, não precisa se preocupar. Saiba que, caso haja reações, elas serão leves na maioria dos casos.

A única recomendação é relatar se já houve algum episódio de alergia com a substância antes do exame. Lactantes podem tomar o contraste, mas é recomendado esperar oito horas após a aplicação para amamentar.

De que forma se preparar para passar pelo exame?

Para passar pela tomografia computadorizada, você deve fazer jejum de seis horas. No momento do exame, o paciente não pode estar com roupas que tenham botões de pressão, zíper ou outros acessórios metálicos — nem mesmo joias.

Os itens metálicos não vão acarretar nenhum risco à saúde, o que ocorre é que podem bloquear as imagens de raios X e comprometer a eficácia do exame. É importante, também, levar tomografias realizadas anteriormente para que o especialista compare as imagens obtidas e entregue um laudo ainda mais completo.

A dica para a realização de qualquer exame é sempre receber as orientações completas de preparo com antecedência. Assim, você não corre o risco de ter que remarcar e atrapalhar toda a sua rotina.

Lembre-se de avisar à clínica onde o exame será realizado sobre a necessidade de anestesia e sedação ou quanto ao histórico de alergia com o contraste. Depois de finalizada a tomografia computadorizada, você pode retornar às suas atividades normalmente, mesmo que tenha feito a aplicação do contraste.

Quais são as vantagens da tomografia computadorizada?

A principal vantagem do uso da tomografia computadorizada é a possibilidade de estudar o caso clínico do paciente por meio dos diversos cortes digitais realizados durante o procedimento.

Nesse processo, é possível detalhar as anormalidades mais especificamente, o que garante melhorias no diagnóstico e no tratamento. Além disso, não se trata de um exame invasivo, fato que ameniza a ansiedade do paciente.

Desvantagens

As desvantagens do exame se referem à ausência de equipamentos disponíveis em todos os municípios, devido ao alto custo e à viabilidade de manutenção. Outras questões são relativas ao custo do procedimento e ao desconforto dentro do aparelho.

Com a falta de equipamentos em algumas cidades, os pacientes devem ser deslocar aos municípios vizinhos, o que em si já onera o procedimento como um todo, sendo necessária também a ausência ao trabalho. Este cenário pode ser visto tanto no caso dos indivíduos que pagam seus convênios quanto para os usuários do SUS.

Outra questão é o receio que os pacientes apresentam de ficar dentro do tomógrafo, mesmo sendo vigiados por câmeras e o procedimento tendo curta duração. Aqueles que sofrem de claustrofobia ficam mais ansiosos durante o processo.

Há contraindicações para a realização da tomografia?

A tomografia computadorizada pode ser realizada por todos os pacientes — até mesmo por quem usa marca-passo. Já as crianças só devem realizar o exame quando for estritamente necessário.

A contraindicação é para as gestantes, por conta da exposição aos raios X. Porém, se a realização do procedimento for imprescindível, a clínica de medicina diagnóstica terá meios de proteger a paciente.

Saber o que é e como é feita tomografia computadorizada é uma das dúvidas mais frequentes entre os pacientes que necessitam fazer o exame. Porém, trata-se de um procedimento tecnológico seguro e de grande auxílio na condução dos tratamentos médicos. Além disso, ele permite o diagnóstico precoce de várias patologias, pois consegue captar imagens detalhadas do organismo.

Pronto! Agora que você já sabe por que esse exame é tão importante para a medicina diagnóstica, veja o que é o diagnóstico por imagem e quais são os principais tipos!

Grupo Infinita

No blog da Infinita - Diagnóstico por Imagem você encontra os melhores conteúdos sobre saúde, qualidade de vida, exames, diagnósticos e prevenção de doenças.

Deixe um comentário