Exames de imagem: conheça as principais tendências!

Os exames de imagem são gerados por procedimentos como raio-X, mamografia, ultrassonografia, ressonância magnética, entre outros. Estima-se que cerca de 3,6 bilhões de exames dessa categoria foram realizados entre 1997 e 2007, sendo liderados pela radiografia de tórax, que lidera em número de procedimentos, totalizando 40% da quantia mencionada acima.

Tamém constituem uma importante ferramenta para a chamada medicina diagnóstica. Se trata de um segmento da medicina que trata de habilidades específicas para auxiliar e complementar o processo de diagnosticar uma doença. Em crescimento acelerado desde a década de 90, o segmento movimentou 45 bilhões de reais em 2017 e incorpora cada vez mais as inovações tecnológicas.

Neste post, vamos mostrar quais são os exames de imagem mais realizados, bem como explicar alguns dos principais e apontar algumas tendências. Continue a leitura e saiba como fazer o melhor uso de todas essas ferramentas, tornando-se um profissional diferenciado e um paciente mais prevenido.

Saiba quais são os exames de imagem

Dentro da medicina diagnóstica, os exames de imagem contribuem para dar maior precisão ao diagnóstico. Por mais experiente que seja um profissional da saúde, não seria possível detectar muitas patologias apenas com uma avaliação exterior do corpo.

Esses exames, portanto, ampliam a visão do profissional enquanto garantem cada vez mais conforto e segurança para o paciente no processo. Na verdade, podemos dizer que “exames de imagem” é como se chama, genericamente, um conjunto que contém vários tipos de exames. Assim, os procedimentos mais presentes na prática clínica são:

  • raio-x;
  • mamografia ou radiografia das mamas;
  • densitometria óssea;
  • tomografia computadorizada;
  • ultrassonografia;
  • ressonância magnética.

Com o resultado fornecido por um ou mais desses exames, o profissional de saúde será capaz de avaliar, de maneira estratégica diante de cada caso clínico, fatores como: a eficácia de tratamentos, o impacto de lesões, o desgaste de articulações, fraturas ósseas, doenças cardiovasculares, além de gerar diagnósticos mais precisos.

As informações provenientes dos chamados exames de imagem são preciosas para o tratamento de muitas doenças. Agora vamos conhecer melhor alguns dos tipos desses procedimentos.

Conheça melhor alguns dos principais

Raio-x ou radiografia

Esta modalidade, iniciada em 1895 com a descoberta experimental do alemão Wilhelm Conrad Roentgen, foi o ponto de partida para outros tipos de exames de imagem que surgiriam no futuro, como um “avô dos exames de imagem”.

Trata-se de um procedimento não invasivo que utiliza baixas doses de radiação para discriminar com rapidez alterações na estrutura dos órgãos ou dos ossos. O resultado são as chamadas radiografias, que vêm na forma de chapas de acetado com partículas de prata.

Tomografia computadorizada

Este exame, que gera imagens por computador, utiliza uma dose baixa de radiação que é interpretada pelo computador para se tornar uma imagem. O resultado pode parecer confuso para um leigo, mas basta lembrar de que a figura que você vai ver representa uma “fatia” ou secção do corpo. Esse exame também permite formar uma reconstrução tridimensional do corpo.

Ultrassonografia

Também chamada de ecografia, utiliza um eco gerado por ondas de alta frequência que permitem visualizar, em tempo real por um visor eletrônico, partes do corpo como canal vaginal, sistema digestivo, abdômen, mamas e especificidades do cérebro. É válido salientar que esse exame não utiliza radiação.

Ressonância magnética

Livre de radiação, este procedimento funciona ao gerar um forte campo eletromagnético que interage com as partículas de hidrogênio do corpo, presentes nas moléculas de água, e enviando os dados referentes a essa interação para um computador, o qual os interpreta e gera as imagens.

Apesar de já serem comuns na prática clínica, esses exames, assim como muitos outros, seguem passando por inovações em um ritmo cada vez mais acelerado. A seguir, vamos entender algumas das principais tendências.

Confira como serão os exames em um futuro próximo

Métodos mistos

Nos últimos anos, foi possível observar de maneira crescente a utilização combinada de tecnologias em medicina diagnóstica, sendo uma das principais inovações desse setor. Ao conciliar dois ou mais procedimentos, é possível chegar a resultados mais precisos com mais agilidade e segurança.

Um exemplo se dá no campo da ultrassonografia, em que as novas máquinas já são capazes de detectar com profundidade minúcias como a forma e os olhos do bebê. Com máquinas mais precisas, vem o benefício econômico em termos de redução de custos devido à diminuição da necessidade de repetir exames.

Além disso, uma evolução importante é que cada vez mais hospitais estão passando a utilizar importantes sistemas de gerenciamento de maneira integrada. Para entender melhor: grande parte dessas instituições usam dois importantes sistemas de software, que chamados de Radiology Information System (RIS) e Picture Archiving and Communication System (PACS).

O primeiro é responsável por controlar agendamentos do hospital, organizar a lista de tarefas da instituição, assim como históricos do paciente e laudos, enquanto o segundo se encarrega da geração, armazenamento e distribuição de imagens geradas pelos exames.

Seria intuitivo que ambos funcionassem de maneira integrada, mas isso não acontece. Porém, cada vez mais vêm sendo feitas inovações em hospitais estrangeiros que devem chegar ao Brasil em breve.

Nuvem

O armazenamento de dados na nuvem, ou cloud computing, é uma inovação a qual permite que a versão digital de laudos e outros documentos relativos ao prontuário sejam acessados, compartilhados e modificados remotamente, desde que exista uma conexão à internet. O avanço dessa tecnologia também vai proporcionar a uma equipe de profissionais da saúde o acesso a seus dados a fim de que trabalhem de maneira colaborativa, otimizando a qualidade e o atendimento ofertado ao paciente.

Inteligência artificial

Pode-se dizer que este campo gera altas expectativas entre os profissionais da radiologia. Utilizando o chamado machine learning, as máquinas se tornam capazes de detectar padrões com crescente precisão — é estimado que, em poucos anos, chegarão ao ponto de diagnosticar doenças por conta própria.

Diante de tantas inovações, que estão cada vez mais rápidas e frequentes, é essencial contar com um grupo de qualidade que esteja atento às principais tendências do mercado. Para diagnósticos mais certeiros, conte com a Infinita – Diagnóstico por Imagem.

Grupo Infinita

No blog da Infinita - Diagnóstico por Imagem você encontra os melhores conteúdos sobre saúde, qualidade de vida, exames, diagnósticos e prevenção de doenças.

Deixe um comentário