Afinal, é possível tratar a atrofia muscular?

  • Home
  • Saúde
  • Afinal, é possível tratar a atrofia muscular?

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar sobre atrofia muscular. Essa expressão é usada para se referir a uma diminuição de um músculo (massa muscular) e, consequentemente, da perda de sua força. Se você tem um caso similar ou conhece alguém, não se preocupe. É possível tratar a atrofia muscular. Porém, antes você precisa entender o que é, quais são seus principais sintomas e conhecer suas técnicas de tratamento. Quer saber tudo sobre o assunto? Então continue a leitura!

De fato, o que é a atrofia muscular? 

Esse problema se dá quando algum membro sofre com a perda de tecido muscular. Notoriamente, um braço ou uma perna ficam menores do que os outros, sendo possível perceber que menos força é aplicada quando um movimento ou esforço qualquer é realizado. 

São dois os tipos de atrofia muscular: 

Atrofia por desuso 

Esta é causada pela falta de atividade física, ou seja, o músculo não é utilizado suficientemente e acaba perdendo massa. Ela geralmente se desenvolve ao longo de uma vida mais sedentária

Atrofia neurogênica 

Este tipo de atrofia muscular é considerado mais grave. Ele é caracterizado quando há uma lesão ou doença em um nervo que se conecta ao músculo. Isso pode ocorrer de uma hora para outra, diferentemente da atrofia por desuso. 

O que causa a atrofia muscular? 

Alguns fatores são os principais causadores — ou potencializadores — da atrofia muscular. Aqui também é necessário diferenciar os dois tipos, tendo em vista que cada um apresenta causas distintas. Confira abaixo as informações: 

Causas da atrofia muscular por desuso 

Como explicamos, a atrofia por desuso é causada pela ociosidade do músculo. Os fatores causadores podem ser muitos, conforme alguns exemplos abaixo: 

  • falta de atividades físicas; 

  • trabalhos sedentários (em que a pessoa passa a maior parte do tempo sentada); 

  • pessoas com limitações físicas; 

  • perda de estímulos hormonais. 

Causas da atrofia muscular neurogênica 

Confira alguns motivos mais comuns que podem ser considerados como fatores para causa de uma atrofia muscular neurogênica: 

  • envelhecimento; 

  • álcool associado a problemas de miopatia (dor e fraqueza nos músculos devido o consumo de álcool); 

  • queimaduras que atinjam o músculo; 

  • ferimentos graves e quebras de ossos: 

  • desnutrição; 

  • lesões da medula espinhal; 

  • corticoterapia a longo prazo; 

  • dermatomiosite (doença muscular); 

  • esclerose múltipla; 

  • distrofia muscular (doença hereditária que causa fraqueza muscular); 

  • neuropatia; 

  • poliomielite. 

Em qual etapa da vida a atrofia muscular pode ser mais comum? 

A atrofia muscular pode dar sinais em todas as etapas da vida. No entanto, a grande maioria das pessoas que apresenta o problema já passou da meia idade. Independentemente de quanto anos o paciente tem, o problemas pode ser controlado por meio de tratamentos que estimulem a hipertrofia muscular. Veremos com mais detalhes um pouco mais a frente. 

Quais médicos podem indicar o tratamento da atrofia muscular? 

Os especialistas que podem diagnosticar uma atrofia muscular são os ortopedistas ou mesmo os clínicos gerais. Para você ir preparado a uma consulta, indicamos alguns cuidados abaixo: 

  • liste todos os sintomas e há quanto tempo eles surgiram; 

  • leve um histórico médico de outras doenças e tratamentos; 

  • informe medicamentos e suplementos que você toma com mais frequência; 

  • vá acompanhado de outra pessoa, dependendo do nível e do local da atrofia. 

Quais exames são necessários para diagnosticar a atrofia muscular? 

Após a consulta, o médico provavelmente vai requisitar alguns exames para diagnosticar as causas. Além de um teste físico e medição dos membros, os exames são essenciais para detectar se algum nervo foi afetado e, consequentemente, indicar o melhor tratamento. Mais abaixo, separamos os exames mais comuns solicitados pelos profissionais nesses casos: 

  • exames de sangue; 

  • eletromiografia; 

  • biópsia do músculo ou nervo; 

  • raio-x; 

  • estudos de condução nervosa; 

  • tomografias computadorizadas; 

  • eletromiografia. 

Como funcionam os principais tratamentos para atrofia muscular? 

Todos os tipos de tratamento de atrofia muscular têm um mesmo objetivo: estimular a hipertrofia, ou seja, o efeito inverso. O objetivo é que o músculo recomponha a perda de tecido e retome suas funções nos membros afetados. 

Os principais tratamentos podem ser acompanhados com as práticas abaixo. 

Fisioterapia ou musculação

A forma mais eficiente para promover a hipertrofia é por meio do aumento da carga de trabalho sobre o músculo. Porém, é essencial que isso seja acompanhado de um profissional. Caso contrário, com a execução de exercícios de forma incorreta, o problema pode agravar ainda mais e, por consequência, os membros podem ficar limitados. 

Eletroestimulação 

A eletroestimulação é indicada para alguns casos específicos de atrofia muscular. Quando ocorre perda da inervação, como em uma atrofia espinhal, o músculo necessita de um estimulo de pequenas correntes elétricas. Esse tratamento é usado apenas quando o paciente não consegue contrair os membros de forma voluntária. 

Alimentação balanceada 

A prática de exercícios físicos ligada a uma alimentação balanceada é um fator fundamental tanto para a prevenção quanto para o tratamento da atrofia muscular. Os nutrientes mais importantes são carboidratos (pães, arroz, massas, batata) e proteínas (carnes, peixes, ovos, feijão, grão de bico). Mais uma vez, é imprescindível realizar um acompanhamento médico para obter resultados positivos. 

Reposição hormonal 

Uma das causas da atrofia muscular pode ser motivada por baixos níveis de testosterona. A reposição hormonal age na melhoria de captação de cálcio para o fortalecimento dos ossos, assim como proporciona aumento da massa e resistência muscular. 

Tratamento de ultrassom 

O ultrassom pode ser um grande aliado no tratamento da atrofia muscular. As ondas sonoras são geradas e propagadas nos tecidos musculares, estimulando leves contrações. Acompanhado de outras práticas, este tratamento pode restaurar o tecido afetado de forma incrível.

Onde realizar os exames e tratamentos? 

Após a consulta médica, o profissional deve solicitar uma bateria de testes e exames, assim como práticas e exercícios para o tratamento. É imprescindível que todas as etapas sejam acompanhadas por profissionais capacitados e em empresas de qualidade, com equipamentos modernos e com referência no mercado. Pesquise bem antes de qualquer escolha!

Com estas dicas, já é possível ter um bom conhecimento sobre a atrofia muscular e como ela deve ser prevenida ou tratada. Se você valoriza sua saúde e quer saber ainda mais sobre boas práticas, leia também nosso próximo artigo, sobre como prevenir o câncer com oito hábitos saudáveis!

Grupo Infinita

Grupo Infinita

No blog da Infinita - Diagnóstico por Imagem você encontra os melhores conteúdos sobre saúde, qualidade de vida, exames, diagnósticos e prevenção de doenças.

Deixe um comentário

Share This